ACHMG
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1

Barão de Cocais

Região das riquezas

Sobrado do Cartório


Contam os mais antigos que a edificação servia para abrigar uma casa de diversão da época de sua construção, onde as pessoas se reuniam para jogar cartas. Em registros do Cartório de Cocais, consta escritura datada de 1910 onde Francisco Furtado Leite vende a edificação a Fernando José do Espírito Santo, Conhecido pela população como Fernando “Tôco”. Posteriormente a Fernando “Tôco” tem-se o conhecimento de Serafim Passos como proprietário, imigrante vindo da Espanha que na edificação morou com a família. Sr. Serafim por sua vez, vendeu a edificação ao Sr. Luis Augusto Dias, mais conhecido como “Seu Lulu”, época que a edificação passou a funcionar apenas como depósito de café, não servindo como residência. No ano de 1957 a edificação é vendida por seu Lulu a Geraldo Prandini, pai de Ivoni Prandini que viria a representar o Cartório. Na década de 1980 os pais de Ione fizeram a doação do Casarão a ela e o irmão, seus únicos filhos. Pouco tempo depois Ivone comprou a parte que cabia a sei irmão e passou a morar na edificação, o que durou até o ano de 2005, quando construiu uma casa nova na rua próxima. Em seus cômodos frontais já funcionou mercearia, cartório e agência dos correios. A edificação abrigou em alguns cômodos do pavimento térreo o grupo “Alcoólicos Anônimos”, tendo seus demais cômodos totalmente desocupados e abandonados. Em Julho de 2008, a Prefeitura adquiriu a edificação para restaurá-la e readequá-la ao uso cultural.