ACHMG

Santa Luzia

Regiao das tradições

História e Palavra do Prefeito

História de Santa Luzia

 

Durante os Séc. XVI e XVII todo território localizado a direita do Rio São Francisco pertencia a Província da Bahia, mais precisamente ao Mestre de Campo Antônio Guedes de Brito desde a cidade de Morro do Chapéu na Bahia, até as cabeceiras do Rio Pará, no coração do território mineiro, inclusive toda a região de Santa Luzia. Com a descoberta do ouro no início do séc.
XVIII a região foi invadida por milhares de pessoas. Fernão Dias Paes Leme e seu genro Manuel de Borba Gato bandeirante paulistas devassaram a Capitania de Norte a Sul. Foram os descobridores das terras de ouro das Minas Gerais.

A fundação da cidade ocorreu no final do séc. XVII e coube ao bandeirante José Correia de Miranda, integrante da bandeira que saíra de Taubaté, a primazia de implantar o primeiro núcleo populacional, em 1692, na região hoje denominada Bicas, junto ao Rio das Velhas.  Em torno de seu engenho e da capela de Santana, por ele erguida, o lugarejo foi ganhando maior dimensão e densidade formando o “Arraial Novo do Rio das Velhas Abaixo”. A tradição oral que o núcleo foi destruído em 1695 por uma grande enchente, do que resultou a sua reconstrução nos pontos mais elevados, onde formou um rancho de tropeiros que se tornaria uma das principais portas de acesso ao norte da província e à região das minas.

Registra também a tradição oral que em uma das enchentes do rio, foi encontrada por pescadores em seu leito, uma imagem de Santa Luzia, cuja festa é realizada a 13/12, a virgem foi levada para a capelinha, no topo da colina. Daí o nome da Santa Luzia do Rio das Velhas.

Santa Luzia cresceu e floresceu muito mais em função do comércio do que da mineração, assumindo o papel de empório comercial para a zona do Serro e a de Paracatu.
O arraial de Santa Luzia formava um “T” com a interseção de duas estradas a que vinha de Sabará subia até o rancho e se bifurcava daí surgiram a Rua do Serro que levava a Macaúbas, Serro e Tijuco e a Rua Direita em direção a Paracatu e Goiás.

Santa Luzia foi elevada à vila, pela lei 755 de 30 de abril de 1856, e elevado à categoria de cidade pela lei 860 de 14 de maio de 1858.

Segundo o historiador Augusto de Lima Junior é possível que a capela dedicada a Santa Luzia já existisse em 1701. Fato que coincide com a fase da imigração intensa de portugueses vindos na sua grande maioria (80%) do norte de Portugal – Viana do Castelo, Vila do Viana, região do Minho, onde eram devotos de Santa Luzia. Era fato comum o imigrante trasladar para a nova terra, a sua devoção primitiva.

Palavra do Prefeito

É difícil não se apaixonar por Santa Luzia, cidade histórica distante apenas 20 quilômetros de Belo Horizonte. Aqui o turista viaja no tempo e, passeando pelas ruas e avenidas da cidade, contempla um dos mais expressivos conjuntos arquitetônicos do período colonial, do Ciclo do Ouro e da história de Minas Gerais e do Brasil.

Cercada de tradições religiosas e culturais, Santa Luzia oferece todos os aroma, as cores e os sabores da gastronomia regional.

Além de ótimas oportunidades de compras, o visitante aproveita e participa, ao longo do ano, de um calendário de atividades repleto de atrações para todas as idades e todos os interesses culturais com festivais artísticos, sobretudo de música, teatro e dança. Muita tranqüilidade e harmonia com a natureza.

Venha desfrutar da hospitalidade dos moradores e se apaixonar por essa cidade tão especial. Seja bem vindo à Santa Luzia!

Gilberto da Silva Dorneles
Prefeito Municipal