ACHMG
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1

São Gonçalo do Rio Abaixo

Região das riquezas

Igreja de Nossa Senhora do Rosário


Embora não tenha sido encontrada documentação que estabeleça com precisão a data de fundação da Igreja Nossa Senhora do Rosário, é possível estimar sua construção nas primeiras décadas do século XVIII. Evidências disso são: a talha de seus três rétabulos, enquadrado no estilo D. João V, introduzindo em Minas por volta de 1720/30, onde prevaleceu até por volta de 1760.

Há evidências arquitetônicas da alteração do edifício ao longo de sua existência, a exemplo do chanfro de sua fachada principal, típico do século XIX.
Em 1821, as visitações de Dom Frei José da Santíssima Trindade registraram as seguintes impressões sobre a capela: no arraial tem capela de Nossa Senhora das Mercês e do Rosário, a qual é pobre, porém tem decência e limpeza nos ornamentos com três altares.

No final do século XIX, o vigário Manoel da Silva Torres empreende a reedificação da Capela de Nossa Senhora do Rosário. Várias campas e o assoalho se encontravam podres, sendo as primeiras supridas e o segundo renovado. A capela possuía então, um muro na frente e o adro era utilizado como cemitério.

A tradição oral atribui a ereção da capela aos sujeitos cativos que habitavam o arraial no século XVIII.

A Igreja Nossa Senhora do Rosário teve, no momento de sua formação, o caráter de dar acesso às praticas rituais católicas aos extratos socialmente desfavorecidos da população local. Sua própria arquitetura é que a da Matriz, e seus primeiros públicos foram cativos.

Posteriormente, a igreja integrou-se à vida religiosa comunitária e ao calendário religioso local, constituindo uma referência culturalem São Gonçalodo Rio Abaixo. Está inserida em adro no centro histórico da cidade.

O adro é praticamente plano, apresentando pequena declividade, perceptível através da baldrame de pedra lajeada aparente na parte posterior da igreja.

Do ponto de vista arquitetônico, a planta é composta por dois retângulos, um correspondente à nave, chanfrada na fachada principal, e o outro delimita a capela mor e a sacristia. O chanfro da fachada principal determina três acessos à Igreja e é característico da arquitetura bastante difundida no século XIX.